Tudo sobre tatuagem reparadora e maquiagem reparadora – Tira dúvidas

Tatuagem reparadora e maquiagem reparadora. A tatuagem sempre foi conhecida pelo seu simbolismo. Diversos povos e civilizações orientais usam a tatuagem como identificação de origem, de status ou religiosa; quando aportou nas peles dos habitantes ocidentais tornou-se um adorno com fins estéticos e/ou contestadores. Poucos foram os que imaginariam que a tatuagem tivesse alguma função diferente das descritas acima.

Contudo, o tempo e a especialização dos estúdios de tatuagem fez com que a tatuagem tivesse fins terapêuticos. Esse é principal objetivo da tatuagem reparadora, uma modalidade de dermopigmentação que tem sido bem aceita pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Tatuagem reparadora

Tatuagem reparadora versus maquiagem reparadora

  • Os dois métodos são tecnicamente considerados como dermopigmentação reparadora, mas as diferenças suplantam a técnica.
  • Na maquiagem reparativa (não confundir com maquiagem definitiva), o objetivo primordial é estético, como delinear os olhos, refinar ou engrossar o contorno dos lábios ou mesmo eliminar olheiras.
  • Já a tatuagem reparativa tem com principal objetivo agir como uma “cirurgia plástica desenhada”, corrigindo problemas de pele que podem causar transtornos sociais e perda de autoestima.
  • A perfeição da tatuagem reparadora dependerá exclusivamente da experiência, habilidade e credibilidade do tatuador ou do profissional de dermopigmentação.

Aplicações da tatuagem reparadora

Embora a cirurgia plástica ainda seja o método de referência para o tratamento dos casos que serão mostrados abaixo, dois fatores contribuem para o uso cada vez maior da tatuagem reparadora com fins terapêuticos: o talento e maior especialização de diversos estúdios de tatuagem e o preço, infinitamente mais baixo do que uma intervenção cirúrgica. Veja em quais casos a tatuagem reparativa tem se mostrado eficiente:

  • Camuflagem de cicatriz – as seqüelas visíveis de diversos pós-operatórios podem ser atenuadas, como cicatrizes da colocação de silicone e lifting facial.
  • Desenho da auréola do mamilo – entre as aplicações terapêuticas da dermopigmentação reparadora, esta é uma das mais festejadas. Após o trauma de uma mastectomia (retirada do seio em função do câncer de mama) e do aspecto artificial de uma prótese, o tatuador redefine por meio de um elaborado desenho a forma da auréola do seio, sempre obedecendo as proporções e a harmonia entre os mamilos.
  • Vitiligo – as manchas brancas que se formam graças a uma ainda não bem explicada perda de pigmentação de algumas camadas da pele, formando nódoas brancas por toda a pele, podem simplesmente “sumir” graças à dermopigmentação reparadora. Os resultados são melhores se feitos por dermopigmentadores treinados para esse fim.
  • Recuperação do supercílio – uma das áreas próximas à sobrancelha que mais sofrem com ocasionais traumas pode ter tanto o desenho dos pelos quanto a cicatriz recuperada com a tatuagem reparativa.
  • Atenuar lábio leporino – pequenas imperfeições pós-cirúrgicas podem deixar o lábio superior sem as marcas causadas pelo bisturi.

Como fazer a tatuagem reparadora com segurança

Escolha com critério o profissional que irá fazer a tatuagem reparativa. Busque referências com clientes que já fizeram algum trabalho e verifique se ele se especializou em dermopigmentação reparadora. Os aparelhos costumam ser mais específicos e caros e a especialização, mais rigorosa.

Exija da clínica ou do estúdio de tatuagem técnicas de manipulação higiênicas, com o uso de materiais descartáveis, esterilizáveis e esterilizados em equipamentos de primeira linha.

Uma tatuagem reparadora tem duração média de dois anos sob condições normais, e a reparação precisa ser feita com o mesmo cuidado da primeira vez.

Obedeça todas as recomendações pós-tatuagem feitas, principalmente no tocante à exposição ao calor e uso de determinados produtos.